quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Crítica de Trolls

Filme: Trolls (2016) 
País: EUA, China e Hong Kong 
Classificação: Livre 
Estreia: 27 de outubro de 2016 
Duração: 93 minutos 
Direção: Mike Mitchell e Walt Dohrn
Roteiro: Jonathan Aibiel e Glenn Berger
Elenco: Anna Kendrick, Justin Timberlake, Gwen Stefani, Kunal Nayyar, Russel Brand, James Corden, Zooey Deschanel, John Cleese.

"Tronco parte para uma jornada de descobertas e aventuras ao lado de Poppy, líder dos Trolls. Inicialmente inimigos, conforme os desafios são superados eles descobrem que no fundo combinam."

Trolls é a nova animação da DreamWorks, estúdio responsável por Shrek, Madagascar e Kung Fu Panda. No longa, acompanhamos a história da princesa Poppy e do rabugento Tronco, que estão em uma missão: salvar os trolls sequestrados por uma Bergen. Isso porque, os bergens são seres que dizem só conseguir alcançar a felicidade depois de comer um troll. 

O filme começa 20 anos atrás, quando os trolls ainda eram aprisionados pelos bergens, que os comiam a cada Trollstício. Assim, eles conseguiriam provar a felicidade pelos menos uma vez na vida. Porém, os pequenos trolls conseguem fugir e a bergen que era a guardiã da árvore é banida da cidade. Passados 20 anos, os trolls seguem livres, se abraçando, cantando e fazendo muitas festas. Todos menos o Tronco, que é um troll ranzinza e que nem cor tem mais. Ele pensa o tempo inteiro que os bergens vão achá-los e por isso vive com medo e escondido em sua casa. 


Trolls funciona como um musical, com grande elenco de dubladores (entre eles Justin Timberlake) e que conquista o público, seja pela fofura de seus personagens como também pelas mensagens que o filme quer passar. A animação é muito bem executada, com seus protagonistas muito bem desenvolvidos e com um foco em grandes canções, como Total Eclipse Of The Heart, de Bonnie Tyler; The Sound of Silence, de Simon & Garfunkel; e Can't Stop the Feeling, de Justin Timberlake.

A animação não tem aquelas mensagens profundas e nem cenas que fazem o público chorar, mas funciona e atende uma demanda de filmes divertidos e simples, que conseguem divertir tanto crianças como adultos. Por isso, Trolls e a DreamWorks mostram que estão prontos para seguir investindo em animações que conseguem fazer com que o telespectador se divirta.

Assista ao trailer abaixo:



Guilherme Wunder

Um comentário: